A Mais Bela Prenda das Missões

Era com teus olhos gentis que eu passava as tardes em um quase silêncio.
Eu lia, assistia TV; tu tricotava, murmurava e me oferecia comida.
Dormíamos, cada uma sentada em um sofá.
Se alguma vez conversamos longamente a memória está escondida no meu esquecimento infantil. O que eu lembro com clareza é do nosso silêncio.
Sentadas de mãos dadas perguntando sobre os parentes que nunca lembramos os nomes.
Ah, Vó, tua quietude me ensinou muito mais que a maioria dos diálogos e, nas vezes que sentava do meu lado e acariciava meus cabelos, eu me sentia tão amada!
Não tenho grandes histórias sobre nós, tenho apenas flashes de momentos, de carinhos, de olhares, de sorrisos.
O teu riso era algo tão fofo que eu me sentia compelida a te pegar no colo e te abraçar por horas.
Mas sou estabanada e só iria te machucar.
Uma vez me disseram que ao dançar tu parecia uma pluma nas mãos do teu par, talvez seja por isso que eu sempre te imagino uma guria faceira bailando nos braços do Vô com a leveza, beleza e expressividade do teu olhar.
Então baila, prenda, baila pelas estrelas com o Vô e saiba que te amo daqui, do meu jeito meio quieto, como tu me ensinou naquelas tardes de companheirismo calado.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s